Chaves é uma cidade encantadora, repleta de história, com uma atmosfera única e muitos locais para descobrir. Em Chaves temos um pouco de tudo, uma herança romana bem presente, o início da Route 66 portuguesa e o casino que nos transporta diretamente para Las Vegas - basta dar largas à imaginação. Ainda assim, Chaves é orgulhosamente portuguesa, tradicional, com uma gastronomia típica de excelência e com pessoas hospitaleiras que sabem como receber com alegria e simplicidade, que nos fazem sentir em casa.

Há quem diga que visitar Chaves e não ir às termas é como ir ao Vaticano e não ver o Papa, no entanto, com as horas contadas, preferimos caminhar pela cidade a relaxar nas águas termais, que ficarão para a próxima visita.

A Torre, o Museu e os Jardins

O dia estava frio mas, ainda assim, ensolarado e caminhar pelas ruas de Chaves tornou-se uma experiência agradável por si só. Do histórico Castelo de Chaves resta agora uma parte da muralha e a Torre de Menagem - classificada como  Monumento Nacional - que abriga, desde 1978, o Museu Militar que dá a conhecer a História Militar Portuguesa.

O museu ocupa quatro pisos da Torre e tem, em exposição permanente, material militar, armas, espadas, uniformes, bandeiras, peças de artilharia, assim como diversas outras peças, que ao longo dos tempos, foram sendo utilizadas pelo exército português. O primeiro piso, onde se encontra a recepção, está a sala D. João I, dedicada à época da Reconquista; o segundo piso está ligado ao tema das Guerras Peninsulares; o terceiro piso é dedicado à Primeira Guerra Mundial e o quarto e último piso é dedicado à Guerra Colonial. A cereja no topo do bolo é o cimo da Torre, que permite desfrutar de uma incrível vista panorâmica sobre os jardins, a cidade, o rio Tâmega e a famosa ponte de Trajano. A entrada no museu tem um custo de 1 euro.

Vista da Torre de Menagem

Terminada a visita, deixamos para trás a Torre de Menagem e os seus bonitos jardins e partimos à descoberta das ruas de Chaves. A menos de 100 metros, encontramos uma das mais bonitas fachadas da cidade. A porta em tons de azul, ladeada por muitas flores é uma vista digna de cartão postal e parece saída de um qualquer conto de fadas.

Pastelaria Maria

Enquanto paramos em frente à fachada para fotografar o local, somos inundados pelo aroma das delicias que se fazem lá dentro. A placa diz "Pastelaria Maria" e isso explica a razão pela qual temos de lá entrar sem hesitar. A pastelaria tem mais de 50 anos de existência e é considerada um ex-libris em Trás-os-Montes pelo Folar e pelos Pasteis de Chaves. Não há nada melhor que um pastel de Chaves ainda quente e os da Pastelaria Maria são incríveis e, segundo muitos, são os melhores da cidade. Nós não os provamos todos (embora quiséssemos) e, por isso, não podemos garantir que são os melhores da cidade, mas a verdade é que são deliciosos e são, por si só, um motivo para ir a Chaves (caso outros motivos faltassem).

Igreja Matriz

A Igreja de Santa Maria Maior ou Igreja Matriz é local de visita obrigatória numa visita a Chaves. O seu interior divide-se em três naves marcadas por robustos pilares cobertos por teto de madeira. Além disso, apresenta uma grande mistura de estilos arquitetónicos. Acredita-se que a igreja pertença ao período do românico, possivelmente construída no século XII, mas sofreu uma grande reforma durante o reinado de D. João III. Da estrutura medieval subsistem a torre sineira e o seu portal.

Ponte Romana de Trajano

A Ponte Romana de Chaves, também conhecida como ponte de Trajano, sobre o rio Tâmega, é um dos maiores ícones turísticos de Chaves e, a par das termas, é um dos legados romanos da cidade, que prevalece até à atualidade, tendo resistido às cheias e às fortes correntes do rio. A ponte foi construída entre finais do século I e inícios do século II d.C., durante o processo de romanização da região e é considerada a ponte mais antiga de Portugal. No centro da ponte, encontram-se dois marcos-colunas, com inscrições epigráficas comemorativas. Um deles comemora “a construção da ponte pelos aquiflavienses”, e o outro é o chamado Padrão dos Povos, dedicado aos dez povos indígenas da região, na época.

 Quilómetro 0

Chaves é um destino de viagem incrível, mas pode também ser o começo de uma longa viagem, ao longo da EN2, também conhecida como Route 66 portuguesa. São 738km de Chaves até Faro, naquela que é a maior estrada da Europa e a terceira maior do mundo. Tudo começa no mítico marco do quilómetro zero, muito fotografado e uma atração turística por si só.

Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso

Construído em 2016 para divulgar a obra do pintor Nadir Afonso, natural de Chaves, o Museu de Arte Contemporânea de Chaves é uma obra de arquitetónica deslumbrante e um edifício fantástico com linhas retas, da autoria do arquiteto Siza Vieira. No interior, é possível ficar a conhecer a obra de Nadir Afonso, mas também de outros artistas. A entrada no museu tem um custo de 5 euros e vale a visita.

Casino de Chaves

O Casino é um excelente local para diversão, contrastando com a cidade tipicamente calma e tradicional. Existem diversos jogos e slot machines para que se sinta em Las Vegas enquanto faz as suas apostas. No casino é possível passar uma noite a jogar (com moderação) e a apostar no seu número ou cor da sorte na roleta ou a fazer girar os rolos das slot machines coloridas que preenchem o espaço. No entanto, quem não é fã de jogos de sorte e azar também pode desfrutar do espaço nos bares La Plaza Lounge, Gran Via e Black Tie com um ambiente descontraído e onde são servidos snacks e bebidas para degustar entre amigos.

Onde ficar

Hotel Casino Chaves: Se procura uma escapadinha relaxante e divertida esta é uma aposta ganha
Hotel Casino Chaves: Se procura uma escapadinha relaxante e divertida esta é uma aposta ganha
Ver artigo

Se pretende acabar a noite no Casino, não há melhor local para ficar hospedado do que no Hotel Casino Chaves, com acesso direto ao espaço de jogo. Fica a escassos minutos do centro da cidade de Chaves e é um espaço de quatro estrelas, extremamente acolhedor, com uma equipa muito simpática e prestável, que torna a experiência fantástica. O espaço conta com Spa dotado de uma piscina interior aquecida, sauna, banho turco e jacuzzi, ginásio. O hotel tem dois restaurantes: o Dinastia Flávia e o La Palette, que funciona durante os meses de verão. O restaurante Dinastia Flávia tem variada oferta gastronómica onde é possível degustar o melhor da gastronomia regional,  acompanhada por uma refinada selecção de vinhos.

Onde comer

Chaves: Neste restaurante o cliente paga o que quer (mas não decide o que lhe é servido)
Chaves: Neste restaurante o cliente paga o que quer (mas não decide o que lhe é servido)
Ver artigo

Em Chaves come-se bem. É mais fácil encontrar um local onde se come bem do que o contrário. É uma cidade onde é difícil errar na hora de escolher o local para almoçar ou jantar, já que a arte do bem servir está bem enraizada na maioria do espaços. No entanto, existe um restaurante que já é local de paragem obrigatória na cidade: o Restaurante Pensão Flávia, com um conceito diferente para uma experiência divertida. Neste restaurante os clientes comem o que vai para a mesa, não decidem o que lhes é servido, mas decidem o que querem pagar pela refeição. Vale pela comida, pela animação e, sobretudo, pela experiência única.

Um dia é pouco tempo para descobrir uma cidade, mas foi o suficiente para nos fazer querer voltar para descobrir tudo o resto.

O SAPO Viagens visitou Chaves a convite do Grupo Solverde.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.