Uma experiência que nos leva a uma viagem. Foi isto o que nos aconteceu na nossa ida ao Luxemburgo, com o propósito de assistir a um concerto da cantora islandesa Björk.  Para quem procura um destino para se conhecer em apenas um fim de semana, este pode ser o tal, até porque, a partir do aeroporto do Porto, existem voos que saem bem cedo no sábado e regressam apenas no domingo à noite, a preços muito convidativos. No nosso caso, cerca de 80 euros para dois passageiros, ida e volta.

As expetativas depositadas no Luxemburgo não eram muitas, diziam-nos que era "bonito" e "agradável", mas os adjetivos não passavam disso mesmo. Para nós, foi uma viagem encantadora, que nos encheu a alma de boas energias.

É conhecida a (excelente) política dos luxemburgueses perante o papel determinante dos transportes públicos na Cidade de Luxemburgo e no resto do país. Foi com grande surpresa que nos foi anunciado que, aos sábados, todos os transportes públicos na capital são gratuitos. Desta forma, a nossa viagem de autocarro desde o aeroporto até à estação principal de comboios custou-nos 0 euros. Fiquem já a saber que um bilhete diário para usufruir de todos os transportes, incluindo comboio, tem um custo de 4 euros por pessoa.

Uma vez na Gare ferroviária da cidade, fomos colocar as malas no nosso hotel, o Ibis Styles Luxembourg Centre Gare (90 euros uma noite) e partimos à procura dos segredos encantados deste lugar. Não há muito que enganar: deixem-se perder pelas ruelas e becos da Ville Vieille (o centro histórico) da cidade, onde tudo está perfeitamente assinalado, contudo, façam vocês próprios o caminho de Luxemburgo.

Comecem pelo Palácio Grão-ducal, Catedral de Notre-Dame, Casemates du Bock (fechadas durante o inverno) e admirem as melhores vistas para a cidade na Ponte Adolphe, assim como no Chemin de la Corniche. Aqui poderão apreciar as vistas lá em baixo, com destaque para o rio Alzette e a Abadia de Neumünster.

Quando a fome apertar, e se procuram um restaurante com um ambiente jovem e descontraído com refeições rápidas, entrem no Urban bar & Restaurant e bebam um café no KAALE KAFFI - art coffe, um lugar onde o tempo parece que parou.

À noite, como dissemos inicialmente, fomos até ao Rockhall, um pavilhão multiusos, a cerca de 20 quilómetros da cidade, para assistir ao concerto da Björk , que foi, caso tenham curiosidade, fenomenal.

E que tal reservar  o segundo dia da vossa visita para entrar num dos castelos mágicos de Luxemburgo? Os mais conhecidos são o Castelo de Vianden e o Castelo de Beaufort. Nós optamos pelo primeiro. A melhor forma de lá chegar é de comboio. Desde a Gare Central do Luxemburgo até Ettelbruck são cerca de 30 minutos. Depois entrem no autocarro 570 até Vianden (mais meia hora). Quando chegarem lá, deixem-se render pelas paisagens deste lugar, que mais parece um conto de fadas - sabemos que é um cliché dizer isto, mas as expressões foram inventadas por alguma razão, certo?

Viaje até ao mundo encantado de Luxemburgo
Localização: Cidade de Vianden. Créditos: Volto JÁ

Quem já estiver com apetite, pode entrar nos restaurantes Café du Pont ou Café Hotel de ville de Bruxelles, antes de começar a subir (mais 15 minutos) até ao Castelo. Não se deixem intimidar pela subida, o esforço é compensado pelas vistas e ambiente do lugar.

A entrada no Castelo de Vianden tem um custo de 7 euros - mais 2 euros se quiserem audioguia (em português europeu).  Saibam que o famoso escritor francês Victor Hugo viveu no castelo por três meses no ano de 1871? Lá dentro, além de ficarem a saber mais sobre a história do castelo, podem visitar quartos, sala da armaduras, vários salões, cozinha… Existe ainda um espaço onde se realizam vários espetáculos de música.

Lembram-se daqueles bilhetes diários a 4 euros? Pois bem, utilizamos este ingresso para chegar a Vianden e ainda para regressar ao aeroporto.

Quem diz que um fim de semana mágico tem de ser duro e caro é porque ainda não conhece o Luxemburgo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.