A Terra Rosa nasceu do sonho partilhado entre pai e filha - Francisco e Eliana Rosa – de dar a conhecer e partilhar o seu refúgio com outras pessoas. É assim que, em 2017, decidem avançar com a recuperação da Quinta da Codeçosa, uma quinta que remonta a 1758 e que está na família Rosa há quase 80 anos, e dar início ao projeto de agroturismo . 

Com uma envolvente única no Minho e contando com uma área invulgar de 70 hectares, dos quais 50 estão dedicados à vinha, a Terra Rosa é composta por quatro casas principais que parecem formar uma aldeia: um solar minhoto, uma casa grande com capela, uma casa em xisto com chaminé em ferro, onde, antigamente, era secado o lúpulo, e uma outra casa que, em tempos, foi armazém de colheitas. Todos estes edifícios estão a ganhar uma nova vida, conservando, no entanto, as marcas da sua história e preservando a atmosfera autêntica que caracteriza o espaço. 

A Casa do Lúpulo foi a primeira a ser recuperada e hoje dá lugar a sete quartos, todos com entrada independente pelo exterior e distribuídos por dois pisos. Três desses quartos são suites e incluem uma pequena sala de estar. É nesta casa que se encontra também uma grande sala de estar e de jantar, onde, num ambiente descontraído, são servidos pequenos-almoços e refeições ligeiras, que podem, igualmente, ser degustados no espaço exterior, com vista para a eira. 

A Casa das Colheitas serve de apoio aos hóspedes para a realização de provas de vinho, workshops de artesanato e culinária ou para a organização de todo o tipo de eventos. A completar este cenário, genuinamente campestre, existe ainda um tanque em pedra, um pombal, um típico espigueiro e a sua eira, elementos que contam o passado da quinta, e aos quais se junta agora uma convidativa piscina exterior, com água aquecida a 30 graus. 

Todos os espaços e recantos da Terra Rosa foram pensados ao detalhe e decorados pela anfitriã, Eliana Rosa, que se inspirou no conceito japonês wabi-sabi, uma filosofia que ensina a ver beleza nas coisas imperfeitas, efémeras e incompletas. Através da conjugação de materiais simples e tons naturais com peças de vários recantos do mundo, escolhidas a dedo nas suas viagens, o trabalho de Eliana resultou na criação de ambientes acolhedores e cheios de personalidade, onde todos os objetos têm uma história para descobrir. 

Tirando partido da vasta área exterior que a envolve, a Terra Rosa proporciona ainda aos seus hóspedes diferentes experiências, para que possam aproveitar, da melhor forma, a tranquilidade e o ar puro do campo. Desde longos passeios de bicicleta ou a cavalo pela quinta, a massagens relaxantes entre as vinhas, filmes ao ar livre ou piqueniques nas margens do rio Neiva, estas são apenas algumas das propostas para desfrutar do contacto direto com a natureza. 

Em alturas especiais como a época das vindimas ou da apanha da castanha e da azeitona, os hóspedes são também convidados a envolver-se no dia-a-dia da quinta e a participar nestas atividades típicas da região. “Queremos que quem nos visita se sinta em casa e crie uma relação de proximidade connosco e com a natureza envolvente ”, explica Eliana Rosa. 

Aberta ao público desde o início de maio, a Terra Rosa Country House Vineyards está certificada com o selo Clean & Safe, seguindo todas as orientações de higiene e segurança definidas pela Direção-Geral de Saúde para prevenção e combate à pandemia.  

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.